África tem sido um território de difícil penetração para a tecnologia blockchain e Bitcoin. Suas caraterísticas demográficas, sociais e a debilidade da infraestrutura econômica tem sido alguns dos elementos que jogaram em contra desta expansão. No entanto, em África do sul se está dando um interessante fenômeno de adoção de criptoativos, e se reportam cifras de record  para o país em quanto ao volume de transações e capitalização do mercado.

 Luno, que opera desde 2013 e é uma das principais casas de câmbio da região, reportou números extremadamente significativos de bitcoins traçados através de sua plataforma neste país africano: até 2.241.826 BTC foram comercializados em um fim de semana, alcançando um valor de pouco mais de $9.7 milhões de dólares. Os principais mercados da plataforma são África do Sul, Malásia, Indonésia e Nigéria.

A plataforma não deu a conhecer o número de usuários ativos de seus serviços, mas sim confirmou o crescimento do interesse em os criptoativos entres os usuários, conforme o anunciou MoneyWeb.

Vemos um aumento no interesse- os descarregamentos de aplicações para móveis, as novas inscrições de clientes e o comércio- que se relaciona com alguns eventos extremos. O primeiro é a volatilidade- quando o preço sobe ou baixa,  mais gente está comprando e vendendo. Dito isto, quando o preço sobe, a gente tende a volver á ideia de comprar uma pequena quantidade de bitcoin, algo que pode haver considerado em algum momento no passado.

Werner van Rooyen

Chefe de Marketing e Crescimento, Luno

Ademais, de acordo com Van Rooyen, a imprensa também lhe há fornecido difusão aos criptoativos e sua irrupção no mundo financeiro se tem visto cada vez mais refletido nas paginas da imprensa local e internacional, ajudando á credibilidade e difusão desta importante ferramenta criptográfica. Também adicionou que a casa de câmbio teve os volumes comerciais mais altos em África do Sul nos últimos meses.

De acordo com alguns especialistas, o crescimento do mercado deveu-se á confiança que há gerado as recentes decisões em torno à bifurcação da rede e a forma em á que o preço do criptoativo, que em julho chegou a estar por debaixo de 2.000 dólares, demostrou sua resiliência, quebrando recordes e chegando a superar os 4.200 dólares por BTC.

Não é só esta coisa divertida com a qual os geeks estão jogando. A gente fora do sistema o está olhando seriamente e está tratando de descobrir como funciona e há todo este novo dinheiro entrando no sistema.

Lorien Gamaroff

CEO, Bankymoon

De acordo com as cifras de CryptoCompare, o limite do mercado de bitcoins em África do Sul é um pouco mais de 1 bilhão de rands, ou seja, quase 76 milhões de dólares. Os volumes negociados através de Luno dentro do território sul-africano, são comparáveis com os intercâmbios em os principais mercados bitcoin como China e Estados Unidos.

O reconhecido anjo investidor e empreendedor do ecossistema, Barry Silbert, reconheceu o sucesso de Luno, e através de sua conta em a rede social Twitter afirmou que o Exchange “está rompendo” (“is crushing it”) no mercado sul-africano.

A economia interna de África do Sul está sofrendo os males das dívidas e das restrições do governo ás entidades estatais, e a população começa a buscar mecanismos de inversão que permitam proteger seus fundos, o desemprego se situa em 27.7% e o rand perde valor rapidamente de maneira que o vigoroso crescimento do mercado dos criptoativos se oferece como uma alternativa atrativa para aqueles que desejam proteger suas finanças em meio de economias voláteis e de risco, como se faze por exemplo, em Venezuela.

Traduzido de: CriptoNoticias