Quando um endereço da rede blockchain realiza muitas transações de pequenas quantidades ligadas entre elas e em curto prazo de tempo, é muito provável que a plataforma esteja sofrendo o que se conhece como um ataque de spam; ação destinada a congestionar o rendimento da rede e obstaculizar seus serviços. Este tipo de ataque tem sido realizado freqüentemente na rede bitcoin e esta semana voltou a causar agitação logo de que um dos causantes destes ataques de spam espontâneos fosse à casa de câmbio Coinbase.

O ataque foi relatado desde Twitter por Sergej Kotliar, CEO de Bitrefill, quem informou á comunidade a incomum irrupção das transações de Coinbase na rede Bitcoin que geraram um ataque de spam. Igualmente, Coinbase também destacou em sua página web que desde horas da tarde do passado 11 de fevereiro não se teriam enviado corretamente os movimentos de bitcoin. Aparentemente, uma vez solucionado o inconveniente por Coinbase, todas as transações que se tinham acumulada na casa de câmbio foram liberadas ao mesmo tempo, causando um breve mas forte pico de transações na rede.

A situação gerou que a rede de Coinbase estivera fora de linha temporiamente até que a equipe pudesse monitorar a falha e dedicar-se a restabelecer o bom funcionamento. A casa de câmbio desculpou-se pelos inconvenientes ocasionados e se comprometeram em procurar uma solução para diminuir a acumulação de transações, como poderia ser a implementação de SegWit, conforme afirmou Brian Armstrong, CEO e co-fundador de Coinbase:

“Coinbase está trabalhando em transações por lotes, SegWit e várias outras estratégias para melhorar a acumulação de transações. Obrigado por acompanhar-nos!, destacou Armstrong em um breve tweet que resumia a situação atual da plataforma.

Além das fontes oficiais, usuários da rede social Twitter comprovaram que 9.000 novas transações de 450 sats./bytes procedentes de Coinbase se encontravam em espera na rede de Bitcoin, quantidade que gerou atrasos no tempo de confirmação da plataforma.

Alguns membros da comunidade afirmaram a necessidade de ativar SegWit em Coinbase, já que se reduziriam os tempos de confirmação das transações. Outras pessoas consideram que este acontecimento pode ser premeditado e com o fim de favorecer a Bcash, a bifurcação de Bitcoin recentemente adotada por Coinbase.

Em conformidade com as anteriores conclusões, entusiastas da rede acreditam que este ataque de spam demostra uma das grandes problemáticas de Bitcoin: a vulnerabilidade, dado que a plataforma não é suficiente resiliente para esse tipo de ataques.

Esta não é a primeira vez que a rede Bitcoin é afetada por um ataque de spam desse tipo, recentemente um usuário de Twitter teria publicado uma visualização em tempo real de um destes fenômenos para uma maior compreensão. Da mesma forma, a plataforma IOTA colapsou devido a uma onda de DDoS que não permitiu processar os movimentos.

 

Traduzido de: CriptoNoticias