Apesar das facilidades para realizar mineração de criptomoedas em China, as autoridades não hesitam em frear aqueles que se dedicam a esta atividade através do roubo de eletricidade.

Mais de 200 equipamentos de mineração de Bitcoin e Ethereum foram confiscados em uma operação policial, na província de Anhui, no leste da China. De acordo com relatórios da agência local Xinhua, o alto consumo de energia no local  foi o que chamou a atenção em primeiro lugar.

A pessoa responsável destes equipamentos tinha roubado cerca de 150.000 kW por hora de energia elétrica durante mais de um mês, no condado de Hanshan. A polícia descobriu que se tinha ocasionado um curto-circuito de uma linha elétrica para evitar o pagamento do serviço. O citado declarou ter comprado os equipamentos durante o mês de abril, mas não levou em conta que o custo de energia elétrica para manter a fazenda mineira operativa ascendia a uns $923 dólares diários.

Há pouco ocorreu um incidente semelhante no país asiático, quando em abril do ano em curso, a polícia confiscou 600 equipamentos de mineração de Bitcoin. Nesta oportunidade a alerta também surgiu de um alto consumo de energia, não correspondente á média refletida na zona, que causou como resultado a apreensão de 6 sujeitos por roubar eletricidade na cidade de Tianjin, ao noroeste de China.

A mineração de criptomoedas consome altos níveis de eletricidade para poder realizar o pesado processo de validação de transações na blockchain. China ainda possui a maior quantidade de poder de processamento de redes blockchain em seu território, repartido entre companhias como Antpool, BTC.com, ViaBTC e F2Pool, devido a vantagens como a facilidade de acesso ao serviço elétrico eficiente e de baixo custo, bem como a equipamentos que são fabricados neste país. No entanto, algumas importantes companhias como Bitmain já tem estado migrando para outras latitudes, por razões regulatórias e de rentabilidade operacional.

No âmbito da compra-venda de criptomoedas e a inversão nos ativos de blockchain, China tem efetuado regulações em anos recentes, como o fechamento momentâneo de casas de câmbio e o desmantelamento de esquemas de investimento fraudulentos ou piramidais, que fossem identificados e contabilizados por estudos especializados.

Por outro lado, este mesmo ano, a tecnologia de contabilidade distribuída foi elogiada pelo presidente chino, Xi Jinping, quem se mostrou a favor de seu desenvolvimento num de seus discursos.

 

Imagem destacada por: Elnur / stock.adobe.com

Traduzido de: CriptoNoticias