Existe a probabilidade de que a final do presente ano (2018) os britânicos descubram se seu banco central emitirá a sua própria criptomoeda, pois o Banco de Inglaterra se encontra estudando as possibilidades de lançar uma moeda digital ligada á libra esterlina.

De acordo com o relatório do jornal britânico Telegraph, o Banco de Inglaterra (BoE, por suas siglas em inglês)  tem estabelecido uma unidade de investigação a este respeito que estima publicar seus resultados nos próximos 12 meses.

A emissão de uma criptomoeda por parte da instituição monetária central britânica poderia colocar a Inglaterra diante de um novo cenário de adoção, significando a possível abertura do país á criptoeconomia, um fato pelo qual se vem preparando há alguns meses, de acordo com os representantes dos órgãos governamentais.

As possibilidades que poderia estender a criação e/ou emissão de uma criptomoeda por parte do estado britânico são infinitas neste ponto, pois a informação é escassa. No entanto, há certeza de que se isso acontecer, os cidadãos britânicos teriam acesso a benefícios como a segurança, transparência e rapidez das transações realizadas, em teoria, fundamentos de qualquer plataforma blockchain. Ainda prevalece a dúvida sobre certos aspectos desta rede, como se será descentralizada ou se será de caráter público ou privado, facetas sobre os quais se debate muito nos âmbitos legais e da bancária tradicional.

Com este anúncio é necessário ressaltar o crescente interesse por parte de algumas nações e seus bancos centrais por emitir suas próprias criptomoedas – caso de Rússia e Venezuela-, uma premissa respaldada pelas palavras do governador do Banco de Inglaterra, Dr. Mark Carney, quem declarou que há estado participando em diversas conversações com os mais importantes bancos centrais do mundo sobre o tema.

No particular caso de Inglaterra, o Dr. Carney ressaltou que seu país conta com uma interação prévia ligada ás criptomoedas, fazendo referencia ás bem-sucedidas provas realizadas com a tecnologia blockchain durante o 2017, quando o órgão supervisor da conduta financeira desenvolveu uma aplicação em blockchain para empréstimos hipotecários.

O Reino Unido realizou várias aproximações á tecnologia que suporta ás criptomoedas durante o ano 2017, pois seu parlamento, o Departamento de Trabalho e Pensões, o Ministério de Justiça e inclusive o ex-primeiro-ministro David Cameron consideraram e provaram a tecnologia blockchain para enfrentar problemas do setor público como os serviços sociais, a verificação de evidência e a corrupção.

Com respeito á investigação que determinará a criação de uma criptomoeda impulsionada pelo Banco Central de Inglaterra, ainda resta tempo de espera para conhecer como será conduzida essa exploração; tal como o debate sobre a criação de um marco regulatório para as criptomoedas e blockchain.

 

 

Traduzido de: CriptoNoticias