A equipe oficial da Luge nos Estados Unidos se encontra realizando uma campanha de coleção de fundos para financiar sua futura participação nos Jogos Olímpicos utilizando um método muito pouco visto neste tipo de competições, a partir destes 17 de dezembro eles estão abertos para receber doações em bitcoin.

De acordo com um post realizado pela organização, os membros da delegação deste esporte abriram uma carteira fria para receber contribuições abertamente daqueles que desejam colaborar com a equipe utilizando a mais famosa das criptomoedas. Eles são a primeira equipe olímpica no país norte-americano em beneficiar-se do uso de criptoativos para realizar seus projetos.

O objetivo desta coleção é manter os bitcoin em possessão da delegação para que estes aumentem seu valor ao longo do tempo e lhes permitam participar comodamente nas Olimpíadas de Inverno de Beijing 2022 e as de 2026 que ainda não tèm uma sede definida.

Ouvimos muitas piadas que os lugers estão loucos e que a gente não sabe por que o fazemos. Mas o luge é algo que entra na sangue e transforma a tua vida… e os bitcoiners que conhecemos sabem exatamente como é estar totalmente envolvido em algo que o mundo ainda não aprecia. Temos analisado o bitcoin fortemente, e definitivamente é um risco-recompensa que entendemos e estamos ansiosos por tomar.

Gordy Sheer

Diretor de Marketing, Team Luge USA

Convém mencionar que o Luge é um esporte de descida em trenó que não deve ser confundido com o Bobsleigh, pois a forma da equipe é muito diferente. Foi incluído pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Inverno em 1964. Os Estados Unidos da América têm apenas 5 medalhas, pois só participaram de três edições do evento. A Alemanha é o país mais premiado com 31 entre suas realizações, sem contar os anos anteriores à reunificação Alemã.

Ty Danco, o antigo olímpico do Luge e atual investidor de Wall Street, foi o primeiro a fazer uma doação na carteira da equipe. De acordo com a explicação na publicação, essas contribuições são elegíveis para dedução fiscal no país norte-americano.

É um laço tão natural e bom para a equipe. A equipe de luge não pensa no curto prazo senão a longo prazo. Ao “hold” bitcoin com o objetivo de mantê-lo até os Jogos Olímpicos de 2022 e 2026, o esporte espera mudar de ser limitado para ser capaz de suportar equipes completas no nível da Copa do Mundo, ao mesmo tempo que desenvolve as raízes dos programas de desenvolvimento para jovens atletas. Bitcoin ainda está em seus primeiros dias, e eu tiro meu chapéu com a equipe de luge dos EUA por ter sido corajosa e clarividente ao montar nesta onda.

Ty Danko

ex-olímpico de Luge, USA

Embora seja o primeiro nos Estados Unidos, a equipe de luge não é o pioneiro do mundo em financiamento de criptomoedas. Este título é assumido pela equipe de hóquei dinamarquesa, que recentemente anunciou que a Bitcoin Suisse será o novo patrocinador principal da Rugsted.

Graças a esse patrocínio, o campo da equipe em Hørsholm mudará seu nome para Bitcoin Arena e o jogador Nikolaj Rosenthal (considerado o melhor da equipe) receberá seu salário em bitcoins, tornando-se o primeiro esportista do mundo a receber seu salário na popular criptomoeda. Além disso, o bar da Bitcoin Arena terá terminais de pagamento para Bitcoin, Ethereum e Bitcoin Cash.

 

Traduzido de: CriptoNoticias