Os Estados Unidos é o país com o maior número médio de usuários que publica tweets sobre o Bitcoin, bem acima do resto dos países que geram conteúdos relacionados a essa criptomoeda. Assim o determinou uma investigação realizada pela plataforma de trading The Tie.

Os estadunidenses geraram 38,9% do total de tweets que tratam de Bitcoin, o qual quase quadruplica ao Reino Unido, o segundo país que mais tweetou sobre a criptomoeda, com 10,5%. Estados Unidos e o Reino Unido em conjunto, acumulam quase 50% do total dos tweets sobre Bitcoin, em mais de 160 países que o tweetam diariamente, conforme a investigação.

Canadá, Turquia, Índia e Austrália também figuraram entre os países mais prolíficos, na ordem decrescente de volume de mensagens publicado na plataforma de mensagens instantâneas.

Os dados coletados pelo The Tie indicam que nos EUA. Não só ele era o líder em termos de volume de conversas sobre o Bitcoin, senão que também tweetou uma proporção ainda maior (43,8%) do conteúdo de Libra, a criptomoeda do Facebook.

A investigação avaliou a tendência dos tweets de criticar ou apoiar o Bitcoin, durante 24 horas em todo o mundo, para determinar os países que tenderam a gerar conteúdo positivo ou negativo sobre o tema. Neste sentido, Tie encontrou que 59,8% do conteúdo sobre o Bitcoin a nível mundial é otimista, e que 61,5% dos tweets positivos vieram dos EUA.

Entre as nações que mostram um tom mais negativo sobre o Bitcoin, está a Venezuela, com 62% do total de tweets publicados recentemente. A ele lhe seguem México, Estônia, Brasil e Irlanda como os mais críticos, em ordem decrescente.

Com relação às atitudes em relação à Libra, a investigação constatou que houve uma mudança desde que se publicou a noticia de seu lançamento, já que os tweets originalmente tendiam a ser mais positivos. No entanto, na atualidade 54,8% dos tweets sobre o tema são os mais negativos.

 

Imagem destacada por Rawpixel.com / stock.adobe.com
Traduzido de: CriptoNoticias