Depois do surpreendente anúncio feito por ViaBTC de incentivar uma bifurcação do Bitcoin no 1º de agosto, a grande maioria das pessoas que têm uma conta em BTC se fizeram a mesma pergunta: que farei com os meus bitcoins? Há alguma coisa que possa fazer para não os perder sem importar o que aconteça logo da bifurcação? Em princípio, cabe esclarecer que os bitcoins que se possua não se vão a perder devido a que a bifurcação da rede conservará a historia passada de Bitcoin na nova cadeia: o único que pode acontecer é que a plataforma que os armazena – como uma casa de câmbio – não proporcione suporte aos novos Bitcoin Cash (os quais chamaremos com o acrônimo BCH para não confundir  com o termo utilizado para designar uma moeda emitida pela casa de câmbio BitConnect). Portanto, uma vez que aconteça a bifurcação da cadeia principal Bitcoin, quem possua bitcoins começaram a ter uma quantidade similar de BCH. O valor de cada moeda será então determinado pelo mercado e não se dividirá. De qualquer forma, se recomenda aos usuários mover o seu saldo em BTC a uma carteira, bem seja tipo hardware o software, mas de armazenamento pessoal e não de um terceiro. Ainda quando muitas casas de câmbio já ofereceram garantias aos seus usuários em quanto á integridade e segurança das suas contas em BTC, a opção de salvar o seu saldo em bitcoin fora do mundo online numa carteira privada segue sendo à medida que oferece mais segurança neste caso. Logo de analisar isso, a pergunta que começa a surgir na mente de alguns é: e se eu quiser ter acesso ao BCH através da minha conta no BTC? Pois que foi dito que, logo da separação destas moedas, os usuários com BTC poderão ser creditados com a mesma quantidade em BCH. Cabe a esclarecer que isto não significa um ganho dobro: haverá a mesma quantidade de fundos, só que divididos em dois, pois um dos ativos valerá mais que outros, como já temos explicado anteriormente para o caso de Unlimited. As carteiras frias Ledger e Trezor já pronunciaram-se ao respeito dizendo que logo da bifurcação ofereceram aos seus clientes uma conta com um saldo equivalente em BCH á sua conta em BTC. Trezor especificou que habilitará uma aplicação permitindo aos usuários acessar a sua conta em BCH. Por outro lado, as carteiras digitais como Jaxx (a quem entramos em contato diretamente para confirmar isso), Exodus, Bitgo, Airbitz e Electrum, prometem aos seus usuários o acesso aos fundos em BCH através da exportação de sua chave privada (private key) ou da sua semente (seed) á uma carteira que apresentam suporte para este novo criptoativo. Em quanto ao processo de exportação da chave privada ou semente, é algo que deve ser cauteloso e cuidadoso, já que não queremos expor o saldo em nossas contas BTC á terceiros. Neste caso, o mais seguro que se recomenda é mudar nossos fundos em bitcoin á uma nova semente logo do UAHF, para que ao prover á nova carteira BCC nossa velha semente não tenha riscos. Em cada carteira pode variar a maneira exata de fazer esse processo, mas os passos básicos são: 1- Criar uma nova semente na carteira onde temos o nosso BTC. 2- Mover todos os fundos em BTC á nova semente após a bifurcação (depois do 1eiro de Agosto). 3- Instalar uma carteira com suporte á BCC. 4-Exportar a semente a nossa nova carteira para BCH. 5- De agora em adiante, poderemos utilizar nossos fundos em BTC e BCH independentemente. É importante ter em conta que desde 31 de julho, algumas casas de câmbio, carteiras e serviços de intercâmbio como Shapeshift, estarão suspendendo as suas transações relacionadas com Bitcoin; por o que devemos tomar precauções ao respeito e ser pacientes, contando com a intenção que estes expuseram de restabelecer as operações em BTC tão pronto como seja possível, enquanto a rede mostre ser segura para isso.   Traduzido de: CriptoNoticias