O impulso que a Eslovênia está fomentando em direção às criptomoedas e a adoção da tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) para promover seu desenvolvimento econômico, tomou um maior impulso logo que a nação europeia anunciou o lançamento e ativação da plataforma SI-Chain, uma rede nacional para realizar provas com blockchains.

O governo informou que a infraestrutura servirá para provar aplicações já existentes que utilizam blockchains e outras em desenvolvimento, tanto para o setor público como para o privado, o que abre as portas para os empreendedores nacionais que desejam provar soluções desse tipo no país.

“Os resultados desses projetos ajudarão ao Governo esloveno a criar soluções regulatórias, para setores específicos da indústria, utilizando blockchain, com a introdução da definição de contrato inteligente na advocacia empresarial eslovena e com a possibilidade de regular as entidades digitais e sandboxes regulatórias para diferentes campos da indústria e o setor público”, realçou o governo num comunicado.

O SI-Chain é um projeto implementado em conjunto pelos startups locais Hashnet e Telemach que tem como propósito integrar soluções DLT com os modelos de negócios das empresas ou as dependências do Estado.

O lançamento dessa plataforma é acompanhado pela formação da Associação Eslovena de Blockchain, uma organização que agrupará a todos os startups que se relacionem com os projetos que utilizam DLT.

Estado amigável com o Bitcoin

A aproximação da Eslovênia á criptoeconomia não é nova. É uma das nações mais amigáveis com o Bitcoin em escala global, comprometida com as criptomoedas e a tecnologia que lhes dá vida para desenvolver-se como nação.

O anúncio do governo da Eslovênia ocorre quase dois meses depois que a China revelasse através de seu presidente Xi Jinping, que o país devia assumir a liderança no desenvolvimento de blockchains. O Chefe do Estado indicou naquela ocasião que “a China já tem uma base sólida para desenvolver as tecnologias da blockchains”.

Um aspecto ressaltante entre as políticas de ambas as nações é que, no caso da Eslovênia suas autoridades deram um impulso às criptomoedas como o bitcoin, enquanto que a nação asiática tem restringido seu uso sob o que seria uma premissa não anunciada de blockchain sim, bitcoin não.

A aceitação do bitcoin na Eslovênia se reflete no fato de que  nesse país se tornou no primeiro em construir um monumento público em homenagem ao bitcoin e a descentralização. Localizada na cidade de Kranj, numa rede que liga as ruas Oldhamska e Gregorčičeva, a obra foi inaugurada em março do ano passado.

Inclusive até a Eslovênia está desenvolvendo o projeto Cidade Bitcoin, um plano ambicioso para estabelecer uma cidade com áreas de negócios, zonas comerciais, estacionamentos, hotéis, áreas recreativas, caixas eletrônicos de criptomoedas e um centro para o desenvolvimento de soluções baseadas em blockchains.

 

Traduzido de: CriptoNoticias.