Durante o fórum “Novas tecnologias e seu efeito no governo e na população”, patrocinado pela Câmara de Deputados de México, se propôs utilizar blockchains para compensar o roubo de combustível no país asteca. Trata-se de uma tentativa com duplo propósito para minimizar este delito e impulsionar o uso destas redes para uma maior transparência no poder público.

Assim o apresentou a deputada Rocío Barreira Badillo, presidenta da Comissão de Governança e População, ao dizer que se deve fazer quotidiana a implementação de novas tecnologias no setor governamental para simplificar a relação com a cidadania, prestar contas e ganhar espaços na área da segurança.

“Não toda a inovação tecnológica implica investimentos grandes. Os esquemas que aproveitam as tecnologias atuais de encriptação são muito mais seguros e transparentes», destacou a legisladora sobre a extração ilegal de gasolina dos oleodutos de distribuição e seu posterior contrabando. «Por exemplo, a tecnologia blockchain faria detectável a rota de combustíveis e seria uma grande ferramenta no combate ao huachicoleo (roubo de combustível). Isto provocaria a simplificação, fiabilidade, acessibilidade e segurança”, acrescentou.

Em relação com o rápido avanço da tecnologia e as demoras que ocorrem em atualizar as legislações, a deputada indicou que é necessário estabelecer estruturas legais flexíveis que se adaptem à rapidez e evolução da tecnologia para diminuir a brecha digital. “A lei não pode atrasar-se diante uma sociedade em constante evolução, sua ceda aplicação é fundamental dantes de que se torne obsoleta”, pontou.

Crescimento no uso de blockchains

Outro dos palestrantes convidado ao fórum foi José Rodríguez, diretor de Blockchain Land e Talent Land, quem ressaltou sobre o crescimento que experimenta Bitcoin como plataforma financeira e o uso de blockchains, sua tecnologia associada, para diferentes usos em escala global.

Em sua palestra intitulada Bitcoin e Blockchain, conectando ao mundo financeiramente, Rodríguez destacou que as novas tecnologias contribuem para minimizar a corrupção e a lavagem de dinheiro.

“A tecnologia que faz que tenhas o dinheiro nuns segundos à distância é uma ferramenta ideal para os maus usos do dinheiro (…)  Bitcoin é o único sistema financeiro, o único dinheiro e sistema monetário que em 10 anos e sete meses que tem funcionando não tem sido possível falsificar, é a única moeda que não se pôde corromper”, acrescentou.

Sobre a proposta da deputada Barrera Badillo, uma recente reportagem publicada pela BBC indicou que nas operações mais sofisticadas é possível extrair gasolina por um valor aproximado de 90 mil dólares estadunidenses em apenas sete minutos. Conhecida também como a “petro-piratagem” estima-se que esta atividade gere uns 133.000 milhões de dólares por ano.

No fórum realizado na última quinta-feira 22 de agosto na Câmara de Deputados da Cidade de México, também foram apresentados temas como “Responsabilidade no uso da tecnologia e a inovação”, encarregado pelo Efraín Carreón, CEO do startup Transgenia; “Aproveitamento de novas tecnologias no setor público” ditado pelo deputado Ricardo Medina Alarcón; “Em linha, logo existo, uma reflexão cidadã” e “Concorrência e perfis para a quarta revolução” apresentadas por Emilio Saldaña e Alejandro Sánchez, respectivamente.

 

 Imagem destacada por tomas / stock.adobe.com
Traduzido de
CriptoNoticias