Bail Bloc é o nome que leva a iniciativa nascida em Nova York, Estados Unidos, que oferece a qualquer pessoa interessada em isso a oportunidade de doar algo do poder de processamento de sua PC para minar criptomoedas, e então utilizar o dinheiro coletado para pagar a fiança de alguém preso que não possui os recursos necessários para fazê-lo.

No site de Bail Bloc já está disponível o software de mineração que pode ser descarregado de forma gratuita. Logo de descarregá-lo, o usuário seleciona a porcentagem de processamento que disporá de seu computador para executar a mineração, o qual pode variar de 10% (por padrão) até um 50%. Enquanto mais poder se dedica a esta atividade, maiores serão as receitas coletadas.

A criptomoeda selecionada por Bail Bloc para este fim foi Monero (XMR). A mesma é uma das que oferecem um maior nível de privacidade no mercado, ademais de que permite ser minada com processadores e/ou placas gráficas com maior facilidade e ganhos que o bitcoin, que requer equipamentos especializados para sua mineração, conhecidos como dispositivos ASIC.

Ao final de cada mês, o 100% do montante coletado em XMR é mudado a dólares estadunidenses e doado ao Bronx Freedom Fund, uma das organizações que junto com a The New Inquiery têm estado á frente desta iniciativa.

Maya Binyam, editor da The New Inquery e parte da equipe fundadora do Bail Bloc, disse ao site Motherboard as seguintes palavras em quanto a este projeto:

Somos uma plataforma editora criada por e para comunidades que têm sido historicamente apontadas pelo estado, o que significa que nosso acesso a capital é limitado, como o é para a maioria dos millennials [pessoa que alcançou a juventude cerca do ano 2000]. No entanto, ao que se temos acesso é ao poder de computação.  Por o que desde um ponto de vista pratico a recolecção de fundos através da mineração faz sentido.

Maya Binyam

Editor, The New Inquiery

No sistema jurídico estadunidense, uma pessoa acusada de cometer algum delito deve cancelar uma fiança se deseja esperar a data do julgamento em “liberdade”, ou ao menos fora da prisão. Se o acusado não cancela dito montante nem se declara culpável (ainda que não seja), o mesmo terá que esperar até a data do julgamento encerrado em uma cela de prisão.

De acordo com as estatísticas mostradas no site do Bail Bloc, um 70% das pessoas encarceradas nos Estados Unidos ainda não foram sentenciadas.  Entretanto, um 90% dos nova-iorquinos preferem declarar-se culpáveis (ainda e quando não o sejam) com tal de poder ir-se embora a suas casas a esperar a data do julgamento. Como consequência, esses cidadãos perdem seu direito a argumentar seu caso e não poderão ser considerados inocentes em nenhuma circunstância.

Estas são as principais causas que impulsionam o nascimento desta iniciativa, a qual mediante sua propagação espera poder estender-se a muitas mais cidades além de Nova York, onde dito programa de financiamento terá inicio em janeiro de 2018.

 

 

Traduzido de: CriptoNoticias