As placas gráficas para jogos de video, ou GPUs, levam alguns meses escasseando no mercado devido à alta demanda que têm para a mineração de criptomoedas. Mas agora não só os chamados gamers ou jogadores estão sendo afetados por esta escassez; agora a busca de inteligência extraterrestre no projeto SETI vê bloqueados seus planos para atualizar sua plataforma pela falta de GPUs, estabeleceu um astrónomo membro do projeto.

Dan Werthimer, o co-fundador e científico chefe do projeto SETI@home que dirige a procura constante de emissões de rádio disse à BBC que todas as gestões de compra das mais recentes GPUs têm sido falidas.

Nos gostaría usar as últimas GPUs mas não podemos obtê-las. Isso está limitando nossa investigação por extraterrestres, para tratar de responder a pergunta ‘¿estamos sozinhos? ¿há alguém aí?’ Este é um novo problema. Só tem sucedido em ordens que temos tentado fazer há um par de meses. Em Seti queremos estudar quantos canais de frequência sejam possíveis porque não sabemos que frequência estarão transmitindo os extraterrestres e queremos explorar diversos tipos de sinais -¿são AM ou FM, que tipo de sinal estão usando? Temos o dinheiro. Temos contatado aos vendedores e dizem ‘simplesmente não temos’.

Dan Werthimer

Co-fundador e científico chefe, SETI

Desde há alguns anos que Bitcoin já não se mina com GPU devido às altas exigências de processamento que supõe. Não obstante, muitas outras criptomoedas o fazem. Inclusive, novas bifurcações de bitcoin mudaram seu algoritmo de hashing de SHA256  –usado pelo bitcoin—justamente para poder seguir usando essas placas gráficas, como ocorreu com a bifurcação de Bitcoin Gold em novembro de 2017. Também, a última versão do software de mineração XMR-stak, para criptomoedas que usam o algoritmo CriptoNight, permite a mineração com CPU e GPU, combinados ou por separado.

Embora os objetivos da mineração –resolver charadas criptográficas—não guardam semelhança com a busca de emissões de rádio que ocupa aos cientistas do SETI, ambas as tarefas implicam o processamento de grandes quantidades de dados. “Isso requer um enorme poder de computação”, assinala Werthimer. Apenas em Berkeley, as instalações do SETI usam 100 GPU, diz o investigador.

Em dezembro passado, Nvidia lançou sua GPU mais potente, a Titan V, que foi muito bem recebida pelos mineiros pois, provada na blockchain de Ethereum, alcançou um hashrate de 77MH/s; o duplo de uma Radeon RX Vega 64 de AMD, embora cinco vezes mais custosa.

Na semana passada, o CEO de Nvidia, Jensen Huang, perante um aumento das vendas no último trimestre de 2017 maior ao esperado, que “neste ano, o mundo começará a fazer as pazes com a existência das criptomoedas”.  Huang tem solicitado aos varejistas que se foquem nos jogadores e não nos mineiros.

 

Traduzido de: CriptoNoticias