Uma companhia do setor energético no Uruguai optou por uma solução baseada na blockchain para agilizar as transações quanto ás energias renováveis e de geração distribuída. Trata-se de Ventus, uma firma energética uruguaia, especialista na construção de projetos de energia eólica, a qual concordou em uma aliança estratégica com a PowerLedgers, uma  empresa de soluções de negócios com redes blockchain.

A ligação permitiu o desenvolvimento de um sistema que utiliza uma cadeia de blocos para o registro das operações, com a qual se conseguiu uma poupança de 30% nos custos operacionais da firma e ademais prevê otimizar o trading de energia.

Com efeito, criaram um modelo de automação que permite predizer a geração e estimar o valor da energia, a fim de aliviar a tomada de decisões  sobre o destino da venda.

Marcelo Bretón, CFO & diretor de vendas da Ventus, comentou ao CriptoNoticias que o resultado de dita aliança foi a criação de um software, que permitiu exportar 153.960 MWh de energia renovável durante o ano passado. Igualmente, fez possível que se eliminara a margem de erro humano e que pudesse tomar decisões em tempo real.

Da mesma maneira, a automatização e o registro blockchain permitiram reduzir em 30% os custos operacionais relativos á comercialização de energia.

Nesse sentido, Bretón enfatizou que entre as características mais salientes do uso da blockchain se destacam a transparência e a impossibilidade de que o software seja hackeado.

Benefícios do uso de uma rede blockchain

Quanto aos benefícios de usar um registro blockchain integrado ao modelo de automação que prediz a geração e a estimação do valor da energia, Bretón assinalou que na realidade, a rede blockchain é parte de uma solução maior que trata da automação de alguns processos que foram feitos na comercializadora.

Brentón-Marcelo
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Brentón-Marcelo
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
Marcelo Breton explicou que a rede blockchain é baseada no Hyperledger Fabric. Foto: @VentusEnergia no Twitter

“Nesse caso, dita cadeia de blocos se utiliza para a parte do registro da transação e a tomada de decisão conforme o preço da energia do mercado”, explicou.

A esse respeito, ele comentou que isso consegue por meio da execução de um contrato inteligente (smart contract) que verifique o preço da energia e registra seu destino, levando em consideração o melhor valor ao que pode vender-se por agora.

“Registra assim o ganho de cada parque. Enquanto na previsão da geração se utilizou uma inteligência que coleta dados disponíveis na Internet sobre a predição de ventos”, comentou.

Bretón explicou que o sistema usa uma rede privada blockchain. É uma solução baseada no Hyperledger Fabric, com a participação de dez nós, dos quais nove são operados por produtores e um corresponde á comercializadora.

Os contratos inteligentes

O executivo apontou que uma das melhorias que leva a implementação de uma solução baseada na blockchain, é a possibilidade de utilizar smart contracts  ou contratos inteligentes para o registro de dados, os quais são imutáveis para um consórcio de participantes que não pertencem a uma mesma entidade.

Ele comentou que cada registro da transação é validado pela rede de participantes, o qual gera confiança e transparência na comercializadora, nos clientes e os provedores. Quanto a qualquer parte interessada pode ter acesso direto à participação como um nó, Bretón explicou que a governança da rede é definida por e para os participantes que existem atualmente.

Está destinada nos papeis dos participantes que estão atualmente, num processo de comercialização de energia. No momento se pensa mais em adaptar essa solução a outros mercados e se a parte interessada puder participar como um nó, aceitando seu role dentro da rede.

Marcelo Breton, diretor de vendas da Ventus

A certeza dos dados

Quando perguntado como eles asseguram que os dados adicionados à sua rede são certos, Bretón assinalou que “o que fez foi contrastar com o método tradicional que usava a comercializadora para assegurar-nos disto”.

Ventus-3-560x374
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn

Ventus-3-560x374
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
  • LinkedIn
O sistema registra numa blockchain o ganho de cada parque eólico. Foto: @VentusEnergia no Twitter

Ele também destacou que existe uma entidade reguladora do mercado elétrico que fornece dados sobre a geração e o valor da energia por parque que foram usados para contrastar as decisões.

Com relação ao que melhorou o uso da blockchain no processo do trading de eletricidade, expressou que as poupanças mais importantes se têm gerado na contagem ou headcount atribuído neste projeto, e nas horas que geralmente se lhe dedicam a esse tipo de transações.

 

 

No começo, embora nossa equipe trabalhasse em transações e fiscalização, gradualmente deixamos que o sistema funcione de forma artificial, o que tem evitado gastos significativos. Por sua vez, há uma poupança no custo da oportunidade e a tomada de decisão em tempo real de forma automática.

Marcelo Breton, diretor de vendas da Ventus

Quanto ao responsável pelo código do mesmo, apontou que se alcançou uma aliança estratégica, e na atualidade trabalham junto ao PowerLedger, uma empresa de soluções no negócio das redes blockchains.

Otimizar a rentabilidade

Bretón lembrou que a instrumentação de uma solução baseada em blockchain se originou propositalmente de um acordo assinado em 2017 com a Companhia Administradora do Mercado Elétrico Atacadista (Cammesa) para a venda de energia desde Uruguai para a Argentina.

Dita articulação estratégica constituiu a venda através de pacotes de energia semanais, produzidos pelos 73 megawatts (MW) de potência instalada e operada por Ventus, distribuída em oito parques eólicos localizados no Uruguai.

Conforme Bretón, o objetivo do acordo era otimizar a rentabilidade dos parques operados pela Ventus por meio de uma alternativa na venda de energia ao mercado interno.

Tal como assinalou CriptoNoticias, as empresas estão investindo grandes quantidades de dinheiro para realizar aplicações com blockchains focadas na energia renovável. De fato, eles procuram que os usuários tenham a possibilidade de optar entre diferentes recursos energéticos e escolher ao provedor. Apostam então á democratização da indústria da energia.

 

Imagem destacada por Polonio Video / stock.adobe.com
Traduzido de: CriptoNoticias.