Conforme as autoridades financeiras são as que usualmente advogam por introduzir padrões regulatórios nas operações das casas de câmbio, algumas das comercializadoras de criptomoedas em Europa têm manifestado seu interesse por um quadro normativo para suas atividades.

No Reino Unido, por exemplo, o recém criado consórcio CryptoUK, que agrupa a várias casas de câmbio, plataformas de trading, comerciantes que aceitam pagamentos com criptomoedas e outros atores desse ecossistema, incorpora em seus princípios e código de conduta uma atitude auto-regulatória:

Para promover as melhores práticas da indústria, todos os membros de CryptoUK subscrevem seus Princípios e seu Código de Conduta auto-regulatório. Os membros de CryptoUK estão comprometidos a trabalhar juntos para atualizar o Código e assegurar que se mantém adequado ao propósito de entregar as melhores práticas entre seus membros.

Associação CryptoUK

Dos três princípios que guiam a atuação dos membros deste consórcio, dois deles se referem ao aspecto regulatório. Após assinalar que o primeiro princípio é reconhecer o potencial do Reino Unido para tornar-se num líder dos serviços financeiros relacionados com criptomoedas, CryptoUK destaca a importância de promover uma “regulação apropriada” para garantir tanto a segurança dos usuários, como certeza e clareza para os provedores de serviços financeiros.

Por outra parte, dentro das medidas auto-regulatórias, o consórcio diz que os membros devem tomar as medidas necessárias para conhecer seus clientes, atuar de maneira justa e evitar crimes financeiros.

O presidente de Crypto UK, também diretor de eToro, Iqbal Grandham, diz numa entrevista que a criação desta associação se deveu à necessidade de criar uma “liderança regulatória” para uma indústria que praticamente surgiu “de um dia para o outro”.

 

CryptoUK surge depois que vivemos o crescimento sem precedentes da indústria em 2017 e o incremento do conhecimento sobre as criptomoedas. Várias das companhias líderes nessa indústria dentro do Reino Unido decidiram que era o momento apropriado para formular um corpo auto-regulatório que pudesse fornecer daqui em diante um serviço uniforme aos clientes.

Ibqam Gandham

Diretor, CryptoUK

A casa de câmbio de criptomoedas maior na Áustria, Bitpanda, também sustenta que a regulação é positiva porque daria “legitimidade ao bitcoin”.

O co-CEO de Bitpanda, Paul Klanschek, diz que a regulação deveria vir no quadro da União Européia, porque para os reguladores nacionais, considera que, é muito difícil desenvolver expertise sobre as criptomoedas.

Do lado dos reguladores, há uma procura de modelos normativos que possam adaptar-se às criptomoedas. Em fevereiro passado, o Ministro de Finanças de Áustria, Hartwig Loeger, declarou que as regulações existentes em torno do comércio do ouro e seus derivados, pudessem ser um ponto de origem para criar um possível quadro regulatório para os criptoativos.

Como afirmamos no editorial deste domingo, a geometria de blockchain precisa novos moldes regulatórios.

 

Imagem destacada por ArtemSam / stock.adobe.com

Traduzido de: CriptoNoticias